Comissão de Ética no Uso de Animais
  • Prêmio MCTIC de Métodos Alternativos

    Publicado em 19/09/2017 às 8:41

    Prêmio MCTIC de Métodos Alternativos é uma iniciativa da Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (SEPED/MCTIC), organizado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações (MCTIC) com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O Prêmio conta com a colaboração institucional da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e patrocínio do Grupo Boticário.

    Prêmio tem como objetivos revelar talentos, impulsionar a pesquisa científica e o desenvolvimento tecnológico assim como promover a inovação na temática de métodos alternativos à experimentação animal, bem como no ensino, sempre voltados ao Princípio dos 3Rs (ou “Reduction, Refinement and Replacement”, em inglês).

    Serão duas as categoria de premiação:

    1. i) Produção Acadêmica, e
    2. ii) Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

    Mais informações e inscrições

    http://renama.org.br/?page_id=1052


  • Seminário: Pontos Finais Humanitários em Pesquisa

    Publicado em 15/09/2017 às 8:00
    Na avaliação dos projetos de pesquisa percebe-se uma dificuldade de
    entendimento e estabelecimento de pontos finais humanitários pelos
    pesquisadores, o que tem deixado muitos projetos em pendência na CEUA.
    Por isso, trataremos especificamente desse assunto no seminário do
    Depto. de Farmacologia, que acontece nas quartas-feiras. Convido a todos
    os interessados! 
    
    Seminário: Pontos finais humanitários em pesquisa
         Apresentadora: Luciana Honorato 
    
         Local: Sala 12, térreo do Depto de Farmacologia, Bloco D, Córrego Grande
    
         Data/Horário: 20/09 às 10h

  • CURSO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA PARA CAPACITAÇÃO NO USO E MANEJO DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO

    Publicado em 13/09/2017 às 16:28

    Essa chamada visa apoiar a elaboração e realização de um curso de ensino à distância (EAD) para capacitar técnicos e usuários ligados à produção e manutenção de animais experimentais. O curso deverá atender a necessidade imediata de formação de profissionais e capacitação de usuários em todo o território nacional, visando à busca de excelência e fortalecimento da produção e uso de animais utilizados para fins científicos, didáticos e tecnológicos, com qualidade e bem-estar. Alunos, técnicos, pesquisadores que manipulam animais (roedores e lagomorfos) em biotérios brasileiros poderão adquirir o conhecimento mínimo através do curso e obter o certificado de conclusão.

    Chamada

     


  • RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 35, DE 11 DE AGOSTO DE 2017

    Publicado em 15/08/2017 às 10:34
    CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL
    RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 35, DE 11 DE AGOSTO DE 2017
    Dá nova redação ao segundo parágrafo do item VI e ao primeiro parágrafo do item VII do Anexo
    da Resolução Normativa nº 33, de 18 de novembro de 2016, que baixou o Capítulo
    “Procedimentos -Roedores e Lagomorfos mantidos em instalações de instituições de ensino
    ou pesquisa científica”, do Guia Brasileiro de Produção, Manutenção ou Utilização de Animais
    em Atividades de Ensino ou Pesquisa Científica.
    O Presidente do Conselho Nacional de Controle de Experimentação de Animal (CONCEA),
    no uso de suas atribuições legais e regulamentares, tendo em vista o disposto no inciso V do art. 5º da Lei nº 11.794, de 8 de outubro de 2008, resolve:
    Art. 1º O segundo parágrafo do item VI e o primeiro parágrafo do item VII do Anexo da Resolução Normativa nº 33, de 18 de novembro de 2016, passam a vigorar com a seguinte redação:
    “VI – Controle da dor: anestesia, analgesia e sedativos
    É de fundamental importância uma equipe qualificada para reconhecer os sinais de dor. O veterinário é responsável pelos planejamentos anestésicos e pela instrução na monitoração da profundidade anestésica na espécie alvo.
    VII – Procedimentos cirúrgicos
    Define-se procedimento cirúrgico como uma intervenção que requer acesso a um tecido vivo. No cenário científico, o tipo de procedimento dependerá do propósito científico e pode variar desde uma incisão superficial até a penetração de uma cavidade do corpo, intervenção em órgão(s) ou dissecação tecidual extensa, que deverá ser realizada sob supervisão de um médico veterinário de acordo com as definições da Diretriz Brasileira para o Cuidado e Utilização de Animais em Atividades de Ensino ou de Pesquisa Científica (RN 30).” (NR)
    Art. 2º Esta Resolução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.
    GILBERTO KASSAB